Internet das Coisas: a nova “onda” tecnológica

Apontada como uma tendência mundial, a IoT deverá mudar drasticamente nossas vidas – para o bemInterligação de objetos do mundo real com o mundo virtual. O que antes poderia parecer roteiro de ficção científica, já começa a fazer parte do presente das pessoas. A chamada Internet das Coisas, ou Internet of Things (IoT), representa uma nova e importante evolução no uso da internet pelas organizações e pelos indivíduos.

A tendência é apontada como a próxima grande onda tecnológica. As aplicações da IoT vão desde a tecnologia vestível – a exemplo de roupas inteligentes que se adaptam à temperatura ambiente – ao carro conectado – que ajuda o motorista a evitar acidentes e a obter uma melhor experiência no ato de dirigir.

“Como qualquer tecnologia, sua influência na vida das pessoas está diretamente relacionada à eficiência e ao valor que as aplicações trazem para a sociedade”, enfatiza o diretor da Conjecto e cientista de Dados, Renilton Oliveira.

No campo público, o conceito de cidade inteligente também é possível com a IoT, que ajudaria as pessoas a fazer melhor uso de recursos públicos, possibilitando ainda alertas em tempo real para controle do tráfego, monitoramento da qualidade do ar, prevenção do crime e na gestão de recursos naturais.

Na área de Saúde, a maior oportunidade seria no monitoramento e tratamento das doenças crônicas, complementa Eduardo Prado, consultor de mercado e colunista das mídias Convergência Digital e Saúde Business. "Como exemplo, podemos citar os seguintes dispositivos: uma balança de peso conectada; uma pulseira que rastreia a frequência cardíaca; um espirrômetro (para medir capacidade pulmonar) e ainda o monitor de sono”.

Chuva de dados

Com a IoT, haverá um aumento exponencial no volume de dados gerados. Este crescimento, somado a disponibilidade e ao uso exponencial de informações estruturadas e não estruturadas (a chamada Big Data) necessita de uma atenção especial.

"Para tirar proveito dessa imensa quantidade de informação e transformá-la em conhecimento útil e relevante, é fundamental que se tenha uma compreensão adequada das suas características e de como elas se relacionam. Neste sentido, tem se tornado frequente e urgente a demanda por soluções analíticas de alto desempenho e de fácil uso e implementação. Essas soluções, junto com plataformas de gerenciamento de dados em um cenário de Big Data, ajudam a IoT a se tornar realidade”, explica Renilton Oliveira.

Realidade palpável

Enquanto algumas aplicações já estão em uso com resultados importantes, outras são concebidas e implementadas aos poucos, através de esforços que envolvem academia, governo e empresas, como é o caso da multinacional Intel.

A regulação de IoT pelo governo e a segurança cibernética dos usuários são apontadas por Eduardo Prado como alguns entraves para a utilização da IoT. "O Governo tem que entrar na regulagem desta tema porque vem muita coisa nova por aí. Precisamos de um novo Marco Civil de IoT, pois o nosso atual não serve. A segurança também é um tema que preocupa muito, já que à medida que teremos bilhões de dispositivos conectados, teremos mais brechas para os hackers”.

Amadurecimento

Um relatório da Gartner Group, empresa de consultoria, intitulado "Hype Cycle for Emerging Technologies, 2015" (algo como “O Ciclo de Tendência para Tecnologias Emergentes”) indica que a IoT ainda se encontra na fase de altas expectativas e segue para um processo de amadurecimento nos próximos 5 anos, quando deverá estar mais disponível para todos. “De todo modo, atualmente IoT já abre uma enorme janela de oportunidade para toda a sociedade”, finaliza Renilton.

Com o patrocinio da Telebras e o apoio do Ministério das Comunicações, a InfoBrasil 2015 dedicou parte de sua programação ao tema. O Seminário "Internet das Coisas" realizado no dia 28 de outubro, às 18 horas, no auditório do Anexo II da Assembleia reuniu Renilton Oliveira, Eduardo Prado, Max Leite e Thales Marçal Vieira Netto, gerente de Projetos do Departamento de Indústria, Ciência e Tecnologia do Ministério das Comunicações, especialistas e consultores para discutir as oportunidades deste novo cenário.